Maionese Alternativa: Cássia Eller l Álbum ao vivo é relançado em versão ampliada com poemas e canções de Cazuza, novas versões e menção à obra de Noel Rosa

Cássia Eller l Álbum ao vivo é relançado em versão ampliada com poemas e canções de Cazuza, novas versões e menção à obra de Noel Rosa











Em 1997 Cássia Eller lançou ao álbum ao vivo “Veneno 
antimonotonia” com produção do poeta Wally Salomão, o disco foi gravado em 3 shows no Teatro Rival no RJ. Com canções de Cazuza, experimentações à música flamenca do popular cantor espanhol “Camarón de la Isla” e parcerias, os shows são considerado pela crítica como umas das melhores apresentações de Cássia. Sempre enérgica nos palcos essa foi a primeira gravação do seu potencial explosivo ao vivo. Com faixas que ficaram de fora da versão original foi lançado “Todo veneno vivo”, com versões de  canções do Cazuza, Luiz Melodia, Legião Urbana, Elaine Moraes (Lan Lanh)/Marcio Mello, Lobão, Rita Lee/Roberto Carvalho e citação de versos de “Coisas Nossas” de Noel Rosa, na clássica canção pop “Brasil” do Cazuza, que abre o disco, entre versões bem diferentes com trechos dos clássicos Rolling Stones, “(I Can’t Get No) Satisfaction” e “Let’s Spend the Night Together”, o álbum nos presenteia com 24 faixas. 



A primeira versão do álbum ao vivo “Veneno antimonotonia” foi um marco muito importante na carreira de Cássia Eller, que logo após seu lançamento fez abertura de shows de Bob Dylan e Rolling Stones, culminando no álbum “Com você... meu mundo ficaria completo” um dos álbuns que levou Cássia a ser reconhecida por um público maior e selou sua parceria de vez com Nando Reis.
Documentando a densa força do seu vocal e experiência de palco, “Todo veneno vivo”, nos faz redescobrir Cássia,  na impossível possibilidade de não se encantar novamente, e é de uma nostalgia fascinante.

"Todo veneno vivo" já se encontra disponível em todas as principais plataformas de streaming:



Fotos: Reprodução
Por Gabriella Riot