Maionese Alternativa: Boogarins- "Sombrou Dúvida" (2019)

Boogarins- "Sombrou Dúvida" (2019)


Hype: BOM

A celebrada banda goiana de rock psicodélico lança seu quarto álbum gravado nos E.U.A e desponta como uma das bandas mais interessantes da cena de rock independente brasileira. Sem se incomodar com o relativo sucesso, o grupo apresenta trabalho investindo em tudo que deu certo nos álbuns anteriores e implementando o lado "pop" do grupo aliado as misturas que são um misto de sons. A banda surgiu há 6 anos atrás com o primeiro disco, “As Plantas que Curam”, criado em Goiânia, o quarteto formado por Dinho (vocalista), de Benke Ferraz (guitarrista e teclista), de Raphael Vaz Costa (baixista) e de Ynaiã Benthroldo (baterista) é muito celebrado nos últimos anos pelo frescor das canções e musicalidade, principalmente no exterior. Só em festivais já cravou seus nomes no South By Southwest, Coachella, Primavera Sound e Rock in Rio Lisboa. O nome do trabalho “Sombrou Dúvida” é um jogo de palavras, uma contração de “Sombra ou Dúvida”, o primeiro single do álbum já lançado anteriormente. A banda se firma com letras que flertam com o obscuro ao mesmo tempo que lançam estímulos ao ouvintes. O diferencial da banda sempre foi a brincadeira de não seguir padrões e cada som ser uma surpresa vibrante. Leia o que achamos de cada faixa. "As Chances" o álbum começa na atmosfera lúdica da banda com uma canção que cresce a cada instante e acompanhado de efeitos. "Sombra ou Dúvida", a faixa que dá nome ao disco é mais pop, inclusive na voz de Dinho, com menos efeitos em relação a outras faixas. "Invenção" traz a musicalidade e o maneirismo presente na banda, misturando faixas e realizando uma brincadeira divertida entre músicas com um baixo interessante. "Dislexia ou Transe" tem toda pegada transcendental e psicodélica que virou marca registrada da banda. "A Tradição" surge como um freio na viagem com uma energia calma. "Nós" é uma balada obscura e atraente. “Tardança”, única não composta pelo vocalista/guitarrista Dinho, foi feita pelo baixista Raphael Vaz, que colocou seu balanço swuingado."Desandar" traz uma certa melancolia regada ao ritmo composto por guitarras sombrias. "Te quero longe" traz um ar bucólico sem perder a energia. "Passeio" fecha o álbum protocolando que mesmo em sintonia com seu som o trabalho finaliza com mais perguntas que respostas. A irreverência que caracterizou o "hype" da carreira do grupo se desponta principalmente pela curiosidade de rotas e muitas vezes rodeado de mistérios, as músicas ganham pontos a cada audição em uma nova vertente e esse trabalho tenta se concretizar e criar algum tipo de vínculo ao ouvinte porém não é um trabalho acessível e requer um tempo dedicado de audição. O ideal é se entregar ao imaginário musical da banda e alinhar expectativas com uma viagem transcendental de melodias.VIAJANTE.
Ouça nas principais plataformas musicais. 



Por Sérgio Ghesti