PicniK I Música, moda, gastronomia e diversidade na capital esse final de semana


Acontece esse final de semana na capital, mais uma edição do PicniK Festival. Nos dias 10 e 11 de agosto o Memorial dos Povos Índigenas recebe o festival alternativo mais em ascensão da cidade, com arte, comidas, bazar e artefatos indígenas, o evento esse ano trás mais uma vez um rico arsenal de artistas e bandas para audição do seu público cada vez mais cativo e exigente, com shows cada vez mais aclamados, essa edição trará shows de destaque com Hermeto Pascoal (AL), Otto (PE), Ava Rocha (RJ), Teto Preto (SP), Felipe Cordeiro (PA), a banda portuguesa de post punk/blues  The 
Dirty Coal Train, além de diversos artistas e bandas independentes da cidade e nacionais. O festival trás também diversos espaços que se agregam e se expandem dentro da proposta musical de entretenimento, vai ter Mercadinho de Moda, Arte e Design, espaço para tatuagens no projeto The Flash Day Tatoo, com o intuito de unir tatuadores de Goiás e artistas visuais do Distrito Federal, a exposição Bosque das Línguas Indígenas no Brasil I Exposição Séculos Indígenas no Brasil, trazendo a discussão e a conscientização sobre o uso e a defunção das línguas indígenas nacionais, a instalação Madeira, Poeira e Concreto, uma homenagem de Leandro Mello aos candangos, construtores da capital, com telas pintadas a partir de stencils e serigrafia, a instalação Acervo PickniK, Beatriz Chaves une o Festival as artes plásticas, fomentando produções de artistas contemporâneos, a Feira de Vinil PickniK com a participação dos expositores Discambo, Marcondes & Co., Bananeira Discos, Givaldo Discos, Boa Viagem Discos, Baked Vinyl, Dom Pedro Discos, Garimpo do Vinil, Filial do Rock, Alternative Discos, Berlin, Fun House, Betão Discos e Bacural Discos, com a ideia do coletivo da feira de discos se integrar a outros elementos da esfera alternativa que o evento propõe, O Cine Net Claro, ao ar livre serão exibidos “produções selecionadas foram realizadas com 
Memorial dos Povos Indígenas por Dênio Simões/ AGÊNCIA BRASÍLA
protagonismo de indígenas que se apropriam do audiovisual para projetar suas visões de mundo, moldadas pelas diversidades culturais e territoriais que demarcam nas telas a unidade de seus corpos e terra”. Além desses destaques na programação, é claro que há todo um requinte e sofisticação em relação a gastronomia, afinal estamos falando de um Picnick, com chefes de conceito, jovens talentos e foodtrucks de ênfase na cidade pautando a “diversidade, qualidade e riqueza gastronômica brasiliense”. Falando em diversidade é claro não poderia faltar a Área Vegana, com diversas opções para o público em uma parceria bem legal com a FALA – Frente de Ações pela Libertação Animal. O Festival trás diversos espaços, que contemplam também o teatro e áreas especiais para crianças, separadas por faixa etária, além das questões de sustentabilidade e apoio ambiental. 


Programação musical

Palco Principal

Sábado 10/08

14h - Kervansarai (DF)

15h30 - Apicultores Clandestinos (SC)

17h - Felipe Cordeiro (PA)

18h30 - Rios Voadores (DF)

20h - Ava Rocha (RJ)

21h30 Teto Preto (SP) 
______________

Domingo 11/08

14h - Joao Pedreira (DF)

15h30 - SCLRN (DF)

16h30 - Glue Trip (PB)

18h - Ops (DF)

19h30 - Otto (PE)

21h - Hermetto Pascoal (RJ)

Palco Auxiliar 

Sábado 10/08

13h30 - Igor Torres (DF)

14h30 - Zéfiro (DF)

15h30 - Moon Pics (DF)

16h30 - Sick (MG)

17h30 - EATNMTD (SP)

19h - Isaurian (DF)

20h - Huey (SP)

21h30 - Noide (PR) 
_______________

Domingo 11/08

13h30 - Judas (DF)

14h30 - Azura (DF)

16h - Tynkato vs O Baixo Astral (DF)

17h30 - Leza (SP)

19h - Ivan Motosserra (BA)

20h - Dirty Coal Train (POR)

21h30 -  Almirante Shiva (DF)


Foto: Reprodução PicniK
Por Gabriella Riot

Porão do Rock I Com shows das bandas Gloria, Autoramas e Matanza Inc., Seletivas acontecem esse fim de semana


Sexta – feira começa a largada independente para o Porão do Rock 2.1. Dos dias 9 a 11 de agosto, diversas bandas e artistas da cidade, ao todo 30, disputaram 3 vagas para tocar no palco do Festival. Avaliados por um júri com músicos, produtores e formadores de opinião e pelo público presente no evento, as bandas e artistas terão 15 minutos de apresentação, contando sua presença de palco, a singularidade das canções e a diversidade de estilo. Com shows das bandas Cadibódi (DF), Totem (DF), PlantaE (DF), Matanza Inc. (RJ), Glória (SP) e Autoramas (RJ), completando a festa. 



Serviço: 

Seletivas Porão do Rock 2.1

De 9 a 11 de agosto 

Local: Estacionamento do Teatro Nacional
Entrada: 1k de alimento não perecível.


Programação


09/08 – Sexta – 18h30

Art of Khaos

Darkrazor

Escolta

Imortal Joe

Pandion

Primal Wrath

Prollogy

Red Old Snake

Tenesso

Apostasis

Cadibódi

Glória 

__________________

10/08 – Sábado – 18h

Aura Quartzo

Mariana Camelo

Humbold

Binarious

Paradisi

Judas

Saci Were

Hayna e os Verdes

Originalman

Ciclone na Muringa

PlantaE

Autoramas 

____________________

11/08 – Domingo – 17h

Walk Again

Malice

Venture

Morreu Polaris

Caos Lúdico

Jambalaia

Transquarto

Litieh

Volt Vandré

Gerson the Veras

Totem

Matanza Inc.



Escute nossa playlist com algumas bandas e artistas que participarão da seletivas :


Por Gabriella Riot


 Saiba mais:

Reinventado, Porão do Rock 2.1 vem aí!



Scalene I Com seu novo álbum ' Respiro', banda acerta na pegada MPB e amadurece em trabalho rico em detalhes.


Scalene "Respiro" - 2019

A banda brasiliense Scalene formada por Gustavo Bertoni (voz), Tomás Bertoni (guitarra), Lucas Furtado (baixo) e Philipe "Makako" Nogueira (bateria), desponta como um dos destaque da atual cena musical do país. Muito antes de ser nacionalmente conhecida por sua participação em um reality show musical, a banda já possuía uma carreira em ascensão incluindo o bom álbum Real/Surreal (2013), viagens ao exterior e uma participação no festival Lollapalooza. Após serem vice-campeões do extinto programa de competição musical Superstar, da Rede Globo, a banda intensificou sua ousadia nos trabalhos Eter (2015) e Magnetite (2017) que conseguiram manter o nível das composições da banda em crescente. A popularidade do grupo também gerou polêmicas em suas vidas pessoais e parcerias interessantes com outros artistas em ascensão, como: SupercomboFar From Alaska e Francisco El Hombre. Respiro amplifica a visão da banda sem comprometer sua essência como fonte criativa. O rock dá lugar a um som mais voltado a Música Popular Brasileira celebrando os 10 anos de carreira da banda. Esse trabalho talvez seja o mais ousado da banda, afastando a zona de conforto e abrindo novos caminhos.

Acompanha nossas impressões Faixa a Faixa do álbum.

"Vai Ver" abre o álbum com a participação de Hamilton de Holanda (bandolinista e compositor brasileiro) com composição simples que já apresenta o fluxo deste trabalho com novos elementos no som da banda, é uma faixa agradável e pontual. "Tabuleiro" se entrega a uma MPB moderna em uma pegada que lembra de leve a canção "ESC" do último álbum, do meio para o fim o tambor se mistura com um riff de guitarra que torna a música uma experimentação que funciona. "Casa Aberta" é aquela balada meio depressiva e meio agitada que compõe o lado mais melancólico da banda ."II" é uma faixa instrumental e leve para introduzir "Berro", a música seguinte com a participação de Ney Matogrosso, é uma canção interessante que flerta com a a voz marcante do cantor. Ela é curta e eficiente em sua proposta sombria. Uma parceria inusitada que que cai super bem. "Percevejo" incorpora essa fase mais séria da banda, Gustavo Bertoni mostra seu talento vocal em uma canção agradável que se integra a um fechamento aumentando o grave. "Ciclo Senil" tem riffs eletrônicos em uma letra política. Incorpora as experimentações da banda em uma faixa empolgante de indie rock. "Sabe o que foi" diminui o ritmo e mesmo sendo agradável tem seus momentos com musicalidade apurada e certeira."Furta Cor" traz a participação da cantora baiana Xênia França em uma canção repleta de nuances e inspirações que vão além do comum. Acertaram em cheio. "Ilha no céu" apresenta doçura em uma composição quase acústica flertando de leve com a bossa-nova, a faixa tem participação do músico Beto Mejía. Os instrumentais trazem beleza e leveza. "Assombra" é uma faixa simples e bonita que foca principalmente no vocal de Gustavo. Comprova o talento da banda em música melódica com víeis otimista."III" é uma faixa instrumental e leve para introduzir "O Que é Será" que finaliza o álbum com uma canção com piano e letra intensa fechando o trabalho sem peso.
Produzido por Diego Marx sob direção musical de Marcus Preto, o álbum Respiro renova a banda mesmo que o som se afaste do tradicional "Stoner Rock" que o ouvinte se acostumou, é admirável como a cada trabalho a banda cresce e gera mais expectativas sobre sua coragem em transitar em estilos e sons mesmo que isso possa dividir opiniões. As letras flertam com as incertezas do cotidiano com uma construção inteligente. Se a banda queria chocar os fãs de uma maneira positiva conseguiram êxito na proposta. Um álbum contemplativo e meditativo. NOVA FASE.


Favorita do álbum



São 13 faixas disponíveis nas principais plataformas de streaming  pela Slap.


Hype: ÓTIMO - Nota: 8,0


Por Sérgio Ghesti

5º Festival BB Seguros de Blues e Jazz I Gratuito em agosto no Parque da Cidade


Brasília é uma das cidades contempladas no roteiro do 5º Festival BB Seguros de Blues e Jazz, um dos mais importantes do gênero no país. O evento conta com artistas de peso e renome da música nacional e internacional. Criado com um conceito simples: um dia para curtir com a família e os amigos. Para que isso se concretize, os shows são sempre realizados em locais ao ar livre, com bons espaços para o convívio social, no melhor espírito “música no parque”. Dedicado á toda a família com atividades para o público infantil . Desde 2015, em sua edição inaugural, o Festival apresentou grandes nomes, como Stanley Jordan, Hermeto Pascoal, Nuno Mindelis, Roney Quintet, Blues Etílicos, Hamilton de Holanda, Maria Gadú, Steve Guyger, Marco Lobo Quinteto, David Liebman, Toninho Horta, entre outros. O projeto é realizado via a Lei de Incentivo à Cultura, com patrocínio da BB Seguros, realização da Marolo ProduçõesSecretaria Especial de Cultura, Ministério da Cidadania e Governo Federal. A programação acontece no dia 3 de agosto durante toda a tarde de sábado estendendo até de noite. Entre as atrações, o destaque é a atração internacional Robert Cray,
Robert Cray

um músico estadunidense, considerado um expoente da nova safra de artistas do blues. Começou sua carreira influenciado pelos Beatles mas, ao assistir um espetáculo de Albert Collins, resolveu seguir o caminho do blues. Ao lado de Albert Collins e Johnny Copeland registrou o já clássico álbum Showdown! IMPERDÍVEL! Além de Brasília, o Festival também será realizado em Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), São Paulo (SP), Porto Alegre (RS), Manaus (AM) e Recife (PE), com escalação diferenciada nos shows. Um dia para curtir com a família e os amigos ao som do melhor do blues e jazz.

Programação:

14h00Festival BB Seguros Brass Band
14h30 Tex Quarteto
15h40Tributo a Eric Clapton
16h45Renato Borghetti
17h50 Thiago Espirito Santo convida Maurício Einhorn
19h10Sérgio Dias convida Luiz Carlini
20h30The Robert Cray Band

Serviço:

5º Festival BB Seguros de Blues e Jazz
Dia: 03/08/2019
Horário: A partir das 14hs
Local: Parque da Cidade - Estacionamento 04
Ingressos: Entrada franca

Por Sérgio Ghesti

Tastebuds l Tenha mais amigos ou ache sua alma gêmea através da sua afinidade musical


Como é bom ter amigos que curtem as mesmas músicas que a gente né? E ter alguém para nos acompanhar naquele show especial? Ou melhor, passar um tempo juntinho de cabeça encostada cantando junto, com sua alma gêmea musical? O mundo virtual vem tentar mais uma vez emular interações humanas através de logaritimos. O site Tastebuds é uma rede social que conecta pessoas através do seu gosto musical. Com um molde bem parecido a essas multiplataformas de localizações de pessoas para encontros, interligando suas informações. O uso do serviço é bem simples, você primeiro faz seu cadastro, o que também pode ser feito através de maneira menos demorada se conectando através do seu Facebook, lista seus artistas favoritos, colocar seu país e partilhar sua preferências musicais . Os resultados se refinam através de filtros por cidade, país, idade e gênero. Integrado a antiga e icônica plataforma Last.fm, permitindo migração de conteúdo, o projeto vem disponível também em forma de aplicativo móvel, mas infelizmente somente para o sistema IOS.

Acesse o site: tastebuds.fm ou baixe o aplicativo:


Por Gabriella Riot




CoMA 2019 – Convenção de Música e Arte I 3ªedição do festival agita a cena musical da capital esse final de semana

Show da cantora Flora Matos durante o Festival CoMA 2018, em Brasília — Foto: Festival CoMA/Divulgação

Unindo festival e coferências culturais, vem aí o CoMAConvenção de Música e Arte, em sua  3ªedição. 
Lançado em 2017, veio para marcar o calendário da cidade e reforçar Brasília como grande produtora cultural. Em 2019, com mais de 50 shows divididos entre Planetário, Clube de Choro e pelo gramado da FUNARTE, além de uma conferência, com debates, pitches e outras atividades em torno do mercado da música, produção cultural, artes, games e outros temas adjacentes. Após dois anos da sua estreia, o Festival CoMA chega à sua terceira edição como um dos eventos mais aguardados do Centro-Oeste, além de ter se estabelecido no circuito de relevantes festivais do país. Agendado do dia 2 a 4 de agosto de 2019, o CoMAConvenção de Música e Arte arma a sua estrutura no Eixo Monumental. O primeiro dia do festival, 2 de agosto, sexta-feira, é marcado pela já tradicional festa de abertura do CoMA. A parte musical do evento destina quase 50% da sua programação a bandas brasilienses. A outra metade é preenchida com artistas que têm chamado atenção no país. Em 2019 o festival também apresenta atrações internacionais independentes como Dionisio (Colômbia), Da Cruz (Suiça), Sate (Canadá), Scratch Massive (França) e Triss (Coréia do Sul). A edição desse ano do festival trás como headliners artistas nacionais, tendo como destaque o icônico Ney Matogrosso, que vem trabalhando com a banda Scalene, na produção do seu quarto álbum de estúdio "Respiro", bem provável que aconteça uma parceria entre o cantor e a banda brasiliense no festival. Odair José, embora venha como participação especial, representa a parte clássica dos nomes da música popular nacional, junto a Pedro Luís que fará uma homenagem a Luiz Melodia e Maria Gadú. A banda Fresno, retornando aos palcos para apresentar seu novo álbum "Sua alegria foi cancelada"  e representando a nova guarda musical de artistas contemporâneos, a capital vai receber Liniker e os Caramelows, apesentando seu último trabalho de estúdio "Goela Abaixo", Francisco el Hombre, lançando seu novo álbum "RASGACABEZA"  e a BaianaSystemem turnê de comemoração de 10 anos, trazendo o show do seu mais novo álbum, "O Futuro não Demora", produzido em parceria com Daniel Ganjaman. Além dessas atrações de peso o festival nos trás revelações nacionais com  apresentações de artistas que vem chamando atenção: Filipe Ret, Letícia Fialho e a Orquestra da Rua, Heavy Baile, Tuyo, Sandro, Luedji Luna e Djonga.  O festival abre espaço também para atrações pratas da casa já com carreiras consolidadas como: A drag Aretuza Lovi, o bandolinista Hamilton de Holanda e a celebre banda Scalene, vice campeã do programa Superstar da Rede Globo em 2015, e uma das representantes de mais expressão no cenário rock nacional atual, além das revelações da cidade, a banda Joe Silhueta ( com a participação super especial de Odair José), Adriah e Ellefante entre outras mais. A outra frente do CoMA, a conferência, tem programação voltada ao mercado da música. Com a participação de produtores, artistas, empresários, jornalistas, influenciadores, entre outros, a feira profissional é concebida na perspectiva do turismo criativo, com o objetivo de promover intercâmbios, rodadas de negócios, palestras, debates e workshops.

+ INFO (Conferência do Festival CoMA)
Foto: Luíza Spindola/Divulgação
Profissionais da música terão a 
oportunidade de se apresentar na  Conferência da 3ª edição do Festival CoMA, que acontece dias 1º e 2 de agosto, das 10 às 19h no Centro de Convenções Brasil 21Empresários, assessores, produtores e/ou managers, entre outros,  para os pitches e showcases. Os pitches são espaços de apresentação de projetos musicais, onde músicos, empresários, assessores, produtores e/ou managers podem apresentar o trabalho artístico para uma bancada de jornalistas culturais, realizadores e programadores de festivais, selos, curadores de projetos, donos de espaços culturais, entre outros profissionais do mercado da música. Já os showcases são plataformas de promoção, na qual as bandas selecionadas fazem um show de 20 minutos de duração para uma banca de compradores/players, onde até 24 projetos musicais serão selecionados, sendo até 12 projetos para os pitches e até 12 bandas para showcases. Além destas atividades, a conferência trará rodas de conversas, oficinas e mentorias. A proposta da Conferência é ser um espaço para tratar da profissionalização da arte, envolvendo não só os artistas, mas toda a cadeia envolvida no processo de produção, financiamento e divulgação da música. É o espaço do empreendedorismo, de discutir com profundidade o mercado para fortalecê-lo.

Informações: conferenciacoma@gmail.com



A Maionese Alternativa realizou a cobertura do festival ano passado e lista os cinco shows de destaque:

1. Elza Soares - A rainha subiu ao palco logo após ter lançado seu ótimo álbum "Deus é Mulher" abrilhantou a noite de sábado no palco Norte com quase 10 mil pessoas em show político e empoderado. Ajudada por sua equipe, ela subiu na plataforma montada no palco, bem acima de todos os músicos de sua banda — entre eles, Guilherme Kastrup, seu produtor, e o cantor
Foto: Reprodução
compositor Rodrigo Campos — , e cantou por cerca de uma hora e meia, misturando o repertório de “Deus é mulher” e “A Mulher do Fim do Mundo” (2015). Por soarem como discos complementares, a estética do show é basicamente a mesma da aclamada turnê anterior. Elza fez diversos discursos, sempre recebidos com clamor, entre as músicas.

2. Liin da Quebrada - A MC e atriz trans Linn fez a multidão (o maior público do domingo, em torno de 7 mil pessoas no Palco Sul) rebolar com seu funk pancadão de letras para lá de gráficas acompanhada de Jup do Bairro. Foi um show libertador para seu público que cantou com orgulho a libertação sexual de sua performance frenética e deixar qualquer um de boca aberta em show . 

3. Marcelo Jeneci - Outro destaque de domingo foi a apresentação do cantor em um espaço histórico da cidade, o Clube do Choro, que no festival virou um palco a parte, nesta apresentação 

Foto:Reprodução
abarrotada de fãs (mais um show em que parte do público ficou de fora por conta da lotação do espaço) Jeneci explicou que chegou a ser convidado para se apresentar em um dos dois palcos externos, mas optou pela casa fechada por combinar melhor com o show que levou a Brasília. Nele, esteve acompanhado do Quinteto da Paraíba, composto por instrumentos de corda (violinos, contrabaixo acústico, violoncelo), e fez releituras de seus principais sucessos, como “Felicidade”, “O melhor da vida” e “De graça”, em mais um daqueles casamentos acertados entre música pop e erudita.

4. Julie Neff - A cantora independente canadense realizou um show intimista no Planetário de Brasília, palco do complexo do festival, para 80 pessoas (dezenas ficaram de fora pela capacidade limitada). Sua pegada acústica agradou em cheio ao público que aclamou cada canção além de presenciar um show incomum e único de uma artista com uma voz potente em suas canções autorais.


5. Supercombo e Scatolove - A banda natural do Espírito Santo realizou um dos shows mais vibrantes do festival com um público caloroso e cantando todas as músicas que ganhou popularidade no mesmo programa da Globo

Foto: Moons Eye Productions
que revelou Versalle e Scalene. No final ainda teve um "combo" com a junção de vários integrantes de bandas parceiras como Scalene e Far From Alaska para cantar seu maior hit "Piloto Automático". Como bônus ainda teve no dia seguinte o pop fofo "imaginedragonístico" do Scatolove, duo formado pelo casal Isa Salles (participante da edição do “The Voice Brasil” de 2018) e Leo Ramos (do Supercombo) que surpreendeu por ter ser sido acompanhado em coro pelo jovem público mesmo sendo o primeiro show da história do projeto.



Programação:

CoMA – Convenção de Música e Arte
Data: 2 a 4 de agosto

Local : Complexo CoMA:
– Gramado da FUNARTE
– Clube do Choro
– Planetário


Acesse: festivalcoma.com.br e tenha acesso a todas as informações.

Ingressos de R$35 a R$130 reais! pelo Sympala


Line -Up ( Tenha acesso às informações  dos horários das apresentações e de todas as atividades do evento clicando aqui).

► Sexta - Feira (Festa de Abertura)
Da Cruz (Suiça))
Sate (Canadá)
DJ A
ATR
Forró Red Light


► Brasilia Independente

Allan Massay
Arthur Santana
Fagner e Fabrício
Israel Paixão
Lejow
Madamme Bovary
Tarot
Samba Urgente
Toro
Vibrações

► Sábado


Scratch Massive (França)
Triss (Coréia do Sul)
BaianaSystem
Maria Gadú
Hamilton de Holanda Quarteto
Scalene
Filipe Ret
Letícia Fialho e a Orquesta da Rua parti. Pedro Luís
Aretuza Lovi
Heavy Baile
Tuyo
NãNan
Barro
Obitrin Trio
Kafé

Camarrones Orquestra Guitarrística
Sandro
Raquel Reis
Gypsy Jazz Club

Moara
Perrelli B2B Preta
Bandinha Di Dá Dó
Paulo Chaves
Natália  Carreira


► Domingo

Dionisio ( Colômbia)
Ney Matogrosso
Liniker e os Caramelows
Franscisco el Hombre
 Luedji Luna
Fresno
Djonga
Pedro Luís "Pérolas de Luiz Melodia"
Joe Silhueta part. Odair José
Hodari
Daniel Santiago Quarteto Union
Adriah

Ellefante
Vavá Afiouni
Paulo Zimbres e Grupo
Realleza
Litieh
Marlene Sousa Lima
Karla Testa
Beatriz Águida
2 Dub
Lˆ_


Por Ségio Ghesti/ Gabriella Riot



Thom Yorke I Terceiro álbum solo de vocalista do Radiohead é um deleite eletrônico sentimental


Thom Yorke - "Anima", (2019)

Hype: Ótimo


O trabalho contempla nove faixas em uma mistura sólida de batidas eletrônicas e melodias com poesia e distopia na substância presente nos sons que o cantor traduz como uma moderna sinfonia que aguça os sentidos e questionam a realidade. Não tem como falar de Thom Yorke e não lembrar do grupo em qual ele faz parte, o Radiohead, uma das bandas mais criativas e de vanguarda que podem ser citadas no meio musical, em grande parte por causa de Yorke. O cantor e compositor já se arriscou outras duas vezes em trabalhos paralelos, em 2006 lançou The Eraser que não possuía muita distinção do seu toque pessoal e em 2014 realizou o experimental Tomorrow's Modern Boxes. Ano passado ele aceitou um convite no mínimo inusitado, compor a trilha sonora da refilmagem do filme de terror clássico Suspiria. Anima é uma parceria com o produtor Nigel Godrich, com quem o Radiohead trabalha desde “Ok Computer(1997). Essa colaboração é sentida em toda concepção das canções com vertente eletrônica e com o diferencial da pegada minimalista de Thom Yorke, já com 50 anos de idade, mas com uma energia incrível tanto na voz quanto nas idéias conceituais de ritmos e sintonia. O cantor passou por diversos bloqueios criativos e ficou quase 2 anos sem compor, esse intervalo de tempo só ressalta sua inspiração aflorada tanto no recente e maravilhoso “Suspiria” de 2018 como em Anima, nome que vem uma palavra latina que significa "alma", muito presente nas novas composições seja na abordagem assintomática, de sensações e vibrações nem sempre expostas, voando na imaginação e nos sonhos de maneira positiva sem se abalar pelas desilusões de uma vida "industrial". 
Não é um trabalho que vai te levar para baixo, é uma obra que pode gerar reações emocionais e até mesmo uma meditação. Acompanhe nossas impressões faixa a faixa de ANIMA: "Traffic" abre o álbum com uma batida eletrônica sombria e complexa. Lembra os bons tempos de Radiohead porém apresenta um tempero moderno que York expõe em um som limpo e neutro. É melhor e mais completa faixa do trabalho. "Last I Heard (... he was circling the drain)" é uma faixa experimental que pouco foge da melancolia do cantor porém ela possui um crescimento constante de batida e uma virada que empolga levemente. "Twist" começa levemente investindo no eletrônico até surgir a voz de Yorke acompanhada de efeitos sonoros e demais artifícios para uma apreciação elaborada de toda sua construção. Sua virada final traz luz e brilho a melodia, são lindos 7 minutos de música. "Dawn Chorus" certamente é aquela balada que vai te prender até o último verso."Se você pudesse fazer tudo de novo?" é um dos questionamentos da canção que se revela otimista mesmo que com um leve tom melancólico, termina como agradável e calorosa na medida certa. "I am a Very Rude Person" tem uma pegada urbana deliciosa que se confunde com uma faixa de Jazz. Perfeita para um lounge "Not The News" traz sintetizadores misturados a voz de Yorke em uma canção que poderia facilmente estar em algum trabalho do Radiohead, sua batida quase dançante se transforma levemente em uma balada. "The Axe" é uma música angustiante que se mistura com movimento da batida e com o ritmo crescente."Impossible Knots" traz em seu ritmo uma singela sensação deliciosa de paz e alivio. É como dormir e viver bons sonhos."Runwayaway" fecha o trabalho de forma moderna e quase buscando uma empolgação que na verdade é para causar um êxtase sobre o fim. 

ANIMA é um trabalho original em sua concepção de sons e delicioso para qualquer estado de espírito. Uma boa oportunidade de se integrar ao disco é assistir ao curta-metragem “ANIMA (2019)”, dirigido por Paul Thomas Anderson (“SangueNegro”) disponível para na Netflix. O trabalho é materializado nos três atos do filme com canções do álbum em um espetáculo de coreografia e imagens, o curta é co-estrelado pelo artista ao lado de sua namorada, a atriz italiana Dajana Roncione, em uma crônica urbana sobre distopias modernas. OBRA PRIMA.

Favorita do álbum:


São 09 músicas disponíveis nas principais plataformas de streaming pela XL Records.

 Ouça "ANIMA"



Assista "ANIMA" na íntegra na Netflix




Por Sérgio Ghesti


Spotify bem além do play: lista de plugins para você aproveitar mais a plataforma



A plataforma musical Spotify, oferece diversos recursos a quem utiliza, seja para os usuários ou para artistas, que dispõe suas músicas no seu streaming. Usuários e artistas, sejam do mainstream ou independentes, tem além da possibilidade de mostrar seu trabalho com um alcance imprevisível,um arquivo imenso de músicas para escutar, calendário de shows, um temporizador e playlists, sejam privadas ou colaborativas. Embora haja diversas habilidades dentro da plataforma ainda, há muito a desenvolver. Plugins e serviços existem para dar suporte a plataforma adicionando usualidades extras, como descobrir setlists ou ficar por dentro da audiência da sua conta quando você quiser, sem esperar  o fim do ano. Segue uma lista uma lista de alguns plugins que vão fazer seu uso da plataforma bem mais divertido:

1. Spotify Statistics 

O Spotify Statiscs basicamente como o nome já sugere, mostra estatísticas de suas faixas, e artistas mais ouvidos, gênero musical, número de faixas da lista de reprodução lançadas em cada ano ou mês, humor e fatos rápidos, como por exemplo, a duração em média das canções que você costuma escutar. Para você ter acesso a esses dados, é só fazer login no serviço, autorizando o acesso do Spotify Statistics à sua conta do Spotify, que pode ser feito via login no Facebook ou cadastro no site: spotifystatistics.com.



2. Festify

Plataforma gratuita que oferece aos participantes de um evento, escolherem as músicas que vão tocar no dia, por meio de uma lista criada na plataforma. Para ter acesso ao aplicativo, basta entrar no site festify.rocks , autorizar acesso à sua conta do Spotify e  dar inicio a sua festa, gerando um código de acesso e enviando aos convidados, a partir dele, podem indicar o que preferem ouvir, tudo feito por dispositivo móvel.



3. Festif

Talvez, esse seja o mais legal, esse plugin monta um pôster personalizado, no estilo desses festivais de renome, baseado no seu histórico de audiência no Spotify. Para fazer seu pôster é bem simples, só acessar o site Festif e fazer o login usando sua conta, ah e você pode fazer download da imagem também!




4. Setify

Esse foi criado para galera que adora ir em shows a par de todas as canções que provavelmente  hão de tocar! A plataforma converte setlists de apresentações anteriores em playlists no Spotify, baseado nos dados da icônica página setlist.fm, para ter acesso e ficar bem no clima para o próximo show que vai assistir, é só acessar o Setfy, pesquisar a banda ou artista que pretende ver e autorizar a conexão junto ao Spotify, pronto, a playlist vai ser salva direto no seu perfil, sendo editável também.




 5. Fresh Faces

Uma das possibilidades mais legais também. O Fresh Faces foi desenvolvido para quem quer sempre se ligar em coisas novas ante ao infindo material existente na plataforma. Através de um buscador que tem acesso a apenas artistas cujo primeiro álbum esteja há menos de duas semanas disponível na plataforma de música, exibindo pós pesquisa,  um compilado de capas de novos álbuns descobertos, uma oportunidade formidável para produções independentes terem destaque na plataforma, é só entrar no site FreshFace , escolher a forma com que a pesquisa vai se direcionar, clicar na flecha análoga ao álbum, se direcionando ao Spotify e se aventurar em novas descobertas. Fora a lista citada, a plataforma anda preparando  mais uma novidade, um recurso inédito chamado "Social Listening", permitindo  que diversas pessoas adicionem músicas a uma fila que todos possam ouvir. Você apenas digitaliza um QR code de escuta do Spotify de um amigo e qualquer pessoa pode adicionar músicas à playlist em tempo real, o que seria um diferencial bem legal em relação as outras plataformas de streaming, estreitando mais a interação entre seus usuários. Embora já esteja em testes, a função ainda não tem previsão de lançamento para todos os usuários. 




Fonte: Techtudo/ Canal Tech
Fotos: Reprodução

Por Gabriella Riot 


Vans lança coleção inspirada em Frida Kahlo



A marca Vans é bem conhecida por suas coleções inspiradas em ícones da arte e da cultura, ano passado a marca celebrou Van Gogh com uma coleção épica, com modelos de estilo clássico  inspirados em suas pinturas, esse ano a homenagem se estende a pintora mexicana Frida Kahlo. Com modelos clássicos com pinturas baseadas nas suas obras, a coleção foi criada para celebrar a vida e sua obra, conhecida por seus auto- retratos, por sua arte inspirada na natureza ao seu redor e a cultura indígena do México,  três modelos icônicos da marca serão coloridos com imagens de pinturas de Frida, os modelos OG Sk8-HI LX(apresentando um dos famosos auto-retratos da artista, intitulado “As Duas Fridas ” 1939), o OG Authentic LX (com uma melancia  na sua textura, baseado na obra “Viva la Vida” 1954) e o  OG Slip-On LX (com a pintura icônica “Autorretrato com colar de espinhos e beija-flor”, 1940).
Produto licenciado da Frida Kahlo Corporation em colaboração com o Banco de Mexico.

A edição limitada da coleção “Vault by Vans x Frida Kahlo” tem seu lançamento marcado para o dia 29 de junho com disponibilidade somente em lugares autorizados.

Fonte : My Morden Meet

Por Gabriella Riot

Diretor de arte carioca transforma personalidades da música em emoticons



Bruno Leo Ribeiro, diretor de arte carioca, criou, um projeto bem legal, o “Music Emojis”, com artistas famosos e bandas de rock, traduzidos de forma gráfica em formato de emoji. 
Em sua bem diversa coleção musical, podemos encontrar, Beatles, The Killers, Nirvana, Daft Punk, Sepultura, Led Zeppelin, Madonna e dezenas de outras representações, incluindo a da banda de rock alternativo brasiliense Móveis Coloniais de Acaju, representando aqui a capital.
Bruno Leo, já teve seu trabalho reconhecido em diversas marcas internacionais, Fiat, Renault, LG, Helmann, Nestlé, Nokia, e IBM , fora outras, e já esteve presente nas principais agencias de publicidade no BrasilLew Lara/TBWA e Fischer & Friends,e também em festivais internacionais de publicidade, os mais importantes do mundo:Cannes Lions, One Show Interactive, New York Festivals e Eurobest. Apaixonado por designer e música, Bruno, além do “Music Emojis”, conceituou também o projeto “Album Cover Cover”, um desafio pessoal onde um álbum é colocado para tocar, enquanto ele refaz a arte original, antes que ele acabe.

Fonte: Follow the Colours

Confira alguns exemplos de emoticons:



Veja mais aqui e conheça o trabalho de Bruno Leo Ribeiro.
Por Gabriella Riot

Reinventado, Porão do Rock 2.1 vem aí!



Festival tradicional de música da capital e um dos mais expressivos do cenário musical nacional, o Porão do Rock, vem completando 21 anos de persistência e existência, se reinventado esteticamente, na promessa de um “Próximo nível”, bem no molde “gamer”, trazendo uma linguagem bem mais moderna. Com datas já confirmadas e um line- up quase fechado, o festival esse ano vem trazendo atrações de peso e mantendo sua tradição de ser bem diverso, agradando e difundindo variados gêneros musicais para diversos gostos. Esse ano, o festival aposta na seleção de algumas atrações internacionais, Nuclear Assault (EUA) e Demob Happy (ING), “que trazem frescor ao festival”, coisa que não acontecia a exatos 5 anos, fato bem legal e atrativo, para um festival que já recebeu bandas como Muse (Inglaterra), Suicidal Tendencies (EUA), Mudhoney (EUA), Red Fang (EUA), The Hives (Suécia), Nightwish (Finlândia) e She Wants Revenge (EUA). 
Mas não é só no lado internacional que o festival promete ter exito, dando ainda mais significância ao seu reinventar, esse ano o festival trará também
nomes reconhecidos, como Pitty que vem na turnê de lançamento do seu último álbum "Matriz", Marcelo D2, Ricon Sapiência, Ratos de Porão¸ Machete Bomb, Academia da Berlinda, Edu Falaschi, Far From Alaska, Supercombo, dentre outras, além das pratas da casa, Raimundos e Rumbora, que vem  retornando suas atividades, com shows, e músicas inéditas, prometendo esquentar o festival com seus clássicos, “Chapirous”, “Skaô”, “O Mapa da Mina”... já indeléveis na história rock nacional.
Mas claro que fora o “mainstream”, o festival mantem o costume de abrir espaços para projetos, bandas e artistas independentes, através das seletivas, que já estão com as inscrições abertas, que começaram no dia 11 de maio e vão até o dia 31, ainda da tempo de participar!   

Saiba mais sobre o regulamento e se inscreva aqui

Serviço

Porão 2.1: Próximo Nível 

Local: Estacionamento do Estádio Nacional Mané Garrincha (SRPN, Asa Norte)
Datas: 16 e 17 de agosto de 2019
Horário: Sexta, a partir das 17h30 e sábado às 15h30
Classificação indicativa: 16 anos
Ingressos: A partir de 50R$ (confira no site

Sexta-feira, 16 de agosto 

Nuclear Assault (EUA)
Raimundos (DF)
Ratos de Porão (SP)
Edu Falaschi - Temple of Shadows in Concert (SP)
Jimmy & Rats (RJ)
Nervosa (SP)
Machete Bomb (PR)
Moretools (DF) 

Sábado, 17 de agosto 

Pitty (BA)
Marcelo D2 (RJ)
Rumbora (DF)
Far From Alaska (RN)
Demob Happy (ING)
Supercombo (ES)
Rincon Sapiência (SP)
Academia da Berlinda (PE)
Mad Monkees (CE)
Canto Cego (RJ)
Surf Sessions (DF)

Ingressos
Sympla

*Os ingressos meia-entrada são válidos para todos os casos resguardados por lei e para doadores de 1kg de alimento. 

Por Gabriella Riot

Aplicativo de realidade aumentada permite que você dê um zoom e anime as capas dos seu LPs


O nome do app mágico se chama Aria The AR Platform, através de seu projeto This Cover, de maneira bem descomplicada é bem fácil brincar com o app, disponível para os sistemas Android e IOS, após fazer download, é só espelhar a capa do seu LP na câmera e brincar, lembrando que parece não ser qualquer capa de LP, foram catalogadas no sistema do app, somente capas históricas do cenário musical, de bandas como Led Zeppelin, Sex Pistols, Daft Punk, dentre vários artistas e bandas, fora os LPs dá para extender e animar outras áreas de imagem também de acordo com sua criativdade.

Tom Morello e Serj Tankian fazem homenagem a Chris Cornell


No último sábado, dia 16 de maio, completou 2 anos da infeliz morte de Chris Cornell, ex vocalista das bandas Soundgarden e Audioslave.
Tom Morello, guitarrista da bandas Rage Against Machine e também da extinta Audioslave , fez uma homenagem para ele. Em uma apresentação solo, no festival americano Sonic Temple Art + Music Festival, tendo como convidado Serj Tankian do System Of A Down, para tocar o hit “Like a Stone” do Audioslave. Morello e Serj já se encontraram outras vezes, em 2008, na Prophets Of Rage, um dos variados projetos de Morello e para interpretar "Can't Stop The Bleeding" (feat. Gary Clark Jr. e Gramatik),  sua música solo.
Em breve Morello se juntará a banda britânica de rock Muse, na turnê “Simulation Theory”, turnê homônima de suporte ao lançamento do oitavo álbum do trio que teve sua estreia em fevereiro desse ano e se encerra em outubro próximo. A banda Muse tem apresentação marcada na edição do Rock In Rio, dia 6 de outubro, no mesmo dia, teremos nomes como Imagine Dragons, Nickelback e representando lado nacional Paralamas do Sucesso e dia 9 de outubro, fechando sua passagem pelo Brasil em SP, será que teremos Morello tocando com eles por aqui?


Fonte: NME

Assista a homenagem:



Por Gabriella Riot



Boogarins- "Sombrou Dúvida" (2019)


Hype: BOM

A celebrada banda goiana de rock psicodélico lança seu quarto álbum gravado nos E.U.A e desponta como uma das bandas mais interessantes da cena de rock independente brasileira. Sem se incomodar com o relativo sucesso, o grupo apresenta trabalho investindo em tudo que deu certo nos álbuns anteriores e implementando o lado "pop" do grupo aliado as misturas que são um misto de sons. A banda surgiu há 6 anos atrás com o primeiro disco, “As Plantas que Curam”, criado em Goiânia, o quarteto formado por Dinho (vocalista), de Benke Ferraz (guitarrista e teclista), de Raphael Vaz Costa (baixista) e de Ynaiã Benthroldo (baterista) é muito celebrado nos últimos anos pelo frescor das canções e musicalidade, principalmente no exterior. Só em festivais já cravou seus nomes no South By Southwest, Coachella, Primavera Sound e Rock in Rio Lisboa. O nome do trabalho “Sombrou Dúvida” é um jogo de palavras, uma contração de “Sombra ou Dúvida”, o primeiro single do álbum já lançado anteriormente. A banda se firma com letras que flertam com o obscuro ao mesmo tempo que lançam estímulos ao ouvintes. O diferencial da banda sempre foi a brincadeira de não seguir padrões e cada som ser uma surpresa vibrante. Leia o que achamos de cada faixa. "As Chances" o álbum começa na atmosfera lúdica da banda com uma canção que cresce a cada instante e acompanhado de efeitos. "Sombra ou Dúvida", a faixa que dá nome ao disco é mais pop, inclusive na voz de Dinho, com menos efeitos em relação a outras faixas. "Invenção" traz a musicalidade e o maneirismo presente na banda, misturando faixas e realizando uma brincadeira divertida entre músicas com um baixo interessante. "Dislexia ou Transe" tem toda pegada transcendental e psicodélica que virou marca registrada da banda. "A Tradição" surge como um freio na viagem com uma energia calma. "Nós" é uma balada obscura e atraente. “Tardança”, única não composta pelo vocalista/guitarrista Dinho, foi feita pelo baixista Raphael Vaz, que colocou seu balanço swuingado."Desandar" traz uma certa melancolia regada ao ritmo composto por guitarras sombrias. "Te quero longe" traz um ar bucólico sem perder a energia. "Passeio" fecha o álbum protocolando que mesmo em sintonia com seu som o trabalho finaliza com mais perguntas que respostas. A irreverência que caracterizou o "hype" da carreira do grupo se desponta principalmente pela curiosidade de rotas e muitas vezes rodeado de mistérios, as músicas ganham pontos a cada audição em uma nova vertente e esse trabalho tenta se concretizar e criar algum tipo de vínculo ao ouvinte porém não é um trabalho acessível e requer um tempo dedicado de audição. O ideal é se entregar ao imaginário musical da banda e alinhar expectativas com uma viagem transcendental de melodias.VIAJANTE.
Ouça nas principais plataformas musicais. 



Por Sérgio Ghesti